ptnlenfrdees
nDm 15 | 28.jul.2022

nDm 15 | 28.jul.2022


A 15.ª edição da newDATAmagazine® foi publicada no dia 28 de julho de 2022.

 

MENSAGEM DA DIRETORA

Perspetivando

Há poucas décadas, perspetivar o futuro era, maioritariamente, o equivalente a fantasiarmos sobre o teletransporte ou as viagens no tempo. Fundamentais para a orientação do ser humano, não é de estranhar a efabulação em torno das possibilidades de nos identificarmos e de nos movermos nas suas dimensões, pelo que não faltaram narrativas escritas ou mesmo levadas para o grande écran que alimentavam este sonho de iludir a física e as leis pelas quais se regem os fenómenos da natureza.

Imaginar viagens no espaço, fator decisivo na construção do modo de ver e pensar o mundo, era igualmente um exercício de ficção, que estimulava efabulações comportamentais sobre novas e inusitadas experiências – não é fortuito o facto de ser o espaço o elemento soberano na história da arte. Ultrapassar a sua tridimensionalidade (altura, largura, comprimento), cujo conhecimento e adaptação nos são inerentes, enquanto seres humanos, por se tratar de um elemento primário das nossas interações –  uma vez que afeta os nossos sentidos e reações, induzindo comportamentos, organizando a nossa experiência na construção do mundo – constava do cardápio onírico de muitos.

O facto é que o espaço e o tempo não devem ser vistos separadamente, mas, pelo contrário, são duas componentes inseparáveis de uma única entidade chamada espaço-tempo. Este conceito, erroneamente atribuído a Einstein, foi criado pelo matemático Hermann Minkowski (1864–1909), que, anos antes do conhecido físico, enunciara que o espaço e o tempo não se podem separar e que cada evento deve ser descrito recorrendo a quatro coordenadas (ou dimensões): três espaciais e uma temporal. Estaria, presumivelmente, Minkowski longe de imaginar que a ênfase colocada nesta fusão viesse, no século XXI, a constituir um conhecimento adquirido a partir das experiências e vivências quotidianas.

O que, há 100 anos, não se anteveria era que um novo vocábulo, resultante de um novo conceito e, concomitantemente, de uma nova realidade, viesse a integrar a vida do cidadão do segundo milénio: o ciberespaço – termo idealizado por William Gibson, em 1984, no livro Neuromancer, referindo-se a um espaço virtual composto por cada computador e usuário conectados numa rede mundial.  Foi, de facto, na última metade do século XX, com o surgimento da rede digital e do ciberespaço, que foi explicitada a possibilidade de virtualização e o virtual passou a ser um traço inquestionável nas práticas sociais.

Numa curta extensão de tempo, consequência de uma globalização crescente, o espaço virtual tornou-se, perdoem-me o paradoxo, real e o mundo digital (aquele que é construído sob a forma numérica) está na ponta dos nossos dedos e tomou assento à nossa mesa, mesmo quando não nos damos conta de o ter convidado.

Acelerado e incessante, o desenvolvimento tecnológico das últimas décadas veio, pois, permitir-nos, por via do acesso computacional, a possibilidade de criar conexões e relacionamentos capazes de fundar um espaço de sociabilidade virtual. Falo, obviamente, do espaço cibernético, um novo espaço de sociabilidade, conceito vasto e pluridisciplinar, que é não-presencial e que possui impactos importantes quer na produção de valor, como nos conceitos éticos e morais e nas relações humanas e que intensificou transformações sociais nos mais diversos campos da atividade humana.

O ciberespaço, novo meio de comunicação e também novo mercado de informação e do conhecimento, domina hoje o quotidiano e, alheio a fronteiras de tempo ou espaço, veio a manifestar-se imperativo na facilitação do acesso a bens, serviços e, principalmente, ao conhecimento.

Inter-relacionados, o espaço e o ciberespaço relacionam-se de inúmeras formas. Por um lado, o ciberespaço está dependente do espaço real em termos de infraestruturas, uma vez que os computadores, as telecomunicações e outras tecnologias de informação não se propagam de uma forma homogénea pelos territórios. Por outro lado, o espaço físico já não consegue ser independente do espaço virtual – a integração das tecnologias da informação nos vários setores socioeconómicos da sociedade é tão elevada que se torna impossível trabalhar e viver na sociedade atual sem o recurso ao ciberespaço. Conceber uma cidade como um espaço meramente real, físico, no mundo contemporâneo, é impensável.

É, pois, a estreita relação com a IoT que nos leva a mais um novo conceito, o das cidades inteligentes (smart cities), espaços geográficos que se evidenciam por características como a eficiência do planeamento urbano, a melhoria da sustentabilidade ambiental; o investimento em tecnologias aplicadas à educação e à saúde; a existência de um sistema de comércio eletrónico e ainda, entre outras, a partilha de dados (open data). No fundo, falamos da tendência indispensável para a construção de uma sociedade mais sustentável, assente num planeamento urbano e eficiente. O conceito de cidade inteligente é o de um espaço que propõe uma melhor a relação do lugar com os cidadãos, ao mesmo tempo que protege o meio ambiente e promove uma significativa melhoria na mobilidade, entre outras condições igualmente necessárias aos desafios pessoais, sociais, globais do quotidiano. No fundo, projetam-se espaços/cidades mais habitáveis.

Nesta vertigem do progresso humano, e da universal habitabilidade, a newDATAmagazine® tem vindo a evidenciar-se como um espaço de franqueamento do futuro, onde confluem a informação e a opinião, abrindo lugar ao sedento mundo novo que se constrói a cada dia.

As colunas e os artigos que a enformam destacam-se pela qualidade dos conteúdos, e, naturalmente, dos seus autores, que aqui encontram o espaço próprio à divulgação e reflexão sobre o mundo contemporâneo. É o futuro perspetivado agora. Sedentos do devir, tornamo-nos sedentos de cada nova edição.

Um bem-haja a todos os que aqui depositam o seu tempo, quer do lado da produção como da fruição.

 

Margarida Correia

LER ESTE ARTIGO NA REVISTA ONLINE

Diretor

Margarida Correia
Margarida Correia

Data Publicação

28 julho 2022

Tags

Publicadas

logo rodape

Seja bem vindo(a) ao website da newDATAmagazine©!

Aqui concentramos toda a informação pertinente sobre a vida da nossa revista e damos visibilidade a todos os que connosco colaboram: Parceiros, Autores, Revisores, Anunciantes e Leitores.

Boas leituras!

Próxima Edição

newDATAmagazine® N.º21

Contacto

gestao @ newdatamagazine.com

(+351) 929.251.279

 (Chamada para rede móvel nacional)

  Projeto

  FAQ's

  Gestão e propriedade

  Produção

  Política de Privacidade