ptnlenfrdees
nDm 16 | 15.set.2022

nDm 16 | 15.set.2022


A 16.ª edição da newDATAmagazine® foi publicada a 15 de setembro de 2022.

 

MENSAGEM DO DIRETOR

Cidades, pessoas e dados

A necessidade do viver plural no urbano inteligente

O desafio colocado pela newDATAmagazine®, para preparar um número especial sobre cidades e dados, foi aceite com bastante gratidão, mas, por outro lado, alguma apreensão resultante da possibilidade de desdobramentos temáticos que o planeamento urbano também com dados pode ter. As múltiplas focagens que esta problemática permite explorar constam das colunas mensais que assino nesta revista – e não estão esgotadas! Apenas afloradas. Assim, seguidamente, deixo breves notas sobre os âmbitos das colunas que redigi até este número especial, para síntese das de ideias-chave nelas constantes.

Na primeira coluna frisei que a vida urbana e a interação socioespacial gera fluxos e dados que importa integrar no planeamento e na gestão inteligente de cidades e na construção coletiva de territórios de partilha. No mês seguinte, em junho de 2021, destaquei que a cidadania de ação necessita conter o diálogo com todos em situação de desestruturação, quer sociocultural, quer urbana, envolvendo-os no codesenho de soluções partilhadas.

O empoderamento cidadão, com tecnologias interativas, incrementa a democracia digital e afronta a infoexclusão no quadro de pobreza urbana, exclusão social, estigmatização cultural, preconceito de género e segregação espacial.

A cidadania de ação, a transformação digital e o empoderamento cidadão com métodos digitais devem convergir na participação cidadã híbrida, direcionada para a construção conjunta de vivências e para um novo compromisso comum sobre a cidade das pessoas. Em julho do ano passado, reforcei ainda que, escrutinando o horizonte próximo, se antevê que não perdurará o planeamento das cidades sem a cocriação da urbanização devidamente apoiada em dados.

Na coluna de agosto de 2021, comentei que os quadros técnicos dos municípios têm um universo de conhecimento novo a desbravar na senda da integração de dados nas suas rotinas de atividades realizadas na administração local e no ordenamento do território. No mês seguinte, comentei que o codesenho e a gestão inteligente da urbanização, articulada com a cocriação da cidade humanizada, será a chave para que a digitalização em curso do habitar seja orientada em sentido colaborativo, coletivo e inclusivo.

No mês seguinte, referi que o codesenho e a gestão inteligente da urbanização vindoura, articulada com a cocriação da cidade humanizada, poderá ser a chave para que a digitalização em curso do habitar, apoiada pelo avanço tecnológico, seja orientada em sentido colaborativo, coletivo e inclusivo. Em outubro, sobre a relação inovação e performance sinérgica, frisei a transformação digital no quadro das organizações, que, para ter densidade e ser robusta, terá que envolver todos numa dinâmica muito compreensiva e solidária, assente em orgânicas hierárquicas distendidas, menos rígidas e com trabalhadores digitalmente empoderados. Os procedimentos convergirão com a tecnologia e o digital e a atualização de conhecimentos por parte de todos deverá ser colaborativa e partilhada. Na coluna seguinte, sobre planeamento, dados e monitorização, enquadrei o exercício holístico do planeamento, combinando indicadores de edificabilidade, rede de espaços públicos, vias, equipamentos, entre outros, na “ecologização” urbana e humanização da cidade. Destaquei ainda que o desfasamento entre o tempo longo de vigência dos planos e a rapidez com que muda o território precisa da mediação dos dados e da monitorização. No último mês de 2021, quanto aos dados na humanização inteligente da cidade, salientei que o desdobramento do viver urbano entre o físico e o virtual, coadjuvado com o acesso livre, em rede e gratuito a informação útil para decisões diárias, exige a conjugação do quantitativo no qualitativo na humanização da cidade (quanti-qualitativa).

Já este ano, comecei por abordar o contributo dos dados na descarbonização das cidades, em que o planeamento e gestão inteligente, os novos paradigmas de mobilidade, as novas formas de viver e de trabalhar, a “ecologização” dos ambientes construídos, a transformação energética, o potencial da imersão tecnológica, a digitalização do quotidiano, a humanização dos espaços urbanos, o viver urbano de proximidade, o mix funcional, a urbanização solidária e intergeracional, a economia circular, entre tantas outras “palavras-chave”, podem conter estratégias significantes para a descarbonização. Alertei, no entanto, que podem também não passar de uma cacofonia de boas intenções cheias de jargão. No segundo mês de 2022, incidindo sobre a mobilidade urbana inteligente, dei nota que esta exigirá, dos decisores políticos, dos técnicos que planeiam e gerem a cidade, das empresas e indústrias, até aos que circulam na cidade nos seus quotidianos, uma mentalidade que implicará rever hábitos de circulação ainda enraizados, mas desfasados do que a realidade exige.

Avançando para a correlação entre dados, interoperabilidade e ontologias, em março escrevi que plataformas digitais precisam de dados em sistemas funcionais, sequenciais e hierárquicos, com descrição e estruturação de informação em modo partilhado (quanto a protocolos e procedimentos), assentes em modelos de trabalho sistemáticos e multiescalas. Nesta senda, no mês seguinte, foquei a respetiva coluna nas ontologias BIM, reforçando como são necessárias enquanto representação abstrata na visualização de conceitos e no estabelecimento de relações (ao analisar dados) e no projeto com informação associada (incluindo transações de dados, informações e conhecimento semântico).

Em maio último, apresentei o 6.º Simpósio Internacional em Métodos Formais (6FMA) em Arquitetura e Urbanismo e, já em junho, na continuidade do 6FMA, refleti sobre os dados e a digitalização dos setores da Arquitetura e do Urbanismo (A&U), em que o código, a computação, o projeto holístico e recursivo, de base info-digital, bem como a consolidação do recurso não só a logaritmos no projeto em A&U, bem como do machine learning e da Inteligência Artificial, constituem campos de investigação a seguir por serem estruturantes para aquilo que se perspetiva venha a ser o setor da A&U, com sociedades mais interrelacionadas e complexas.

Por fim, na última coluna prévia a este número especial, explorei a noção de Green Information Modelling (GIM), considerando que o tempo para se proceder a mudanças “tectónicas” no modo como se planeiam, gerem e se vive as cidades e seus territórios está com um intervalo de atuação muito reduzido para se  se consubstanciar uma visão ampla e plural sobre os sistemas que fazem funcionar a urbanização, de modo a neles acomodar dados que, pela respetiva partilha e convergência, contribuem para melhor informar quem sobre ela decide. A construção integrada e sistémica do “verde” é tão importante como a do edificado, das infraestruturas/ruas, dos espaços públicos inclusivos, equipamentos, serviços – e, via GIM, tem que estar em e entre todos estes.

Assim chegados a este número especial, os conteúdos apontados nas páginas anteriores perfazem partes de um elenco mais vasto de conhecimento sobre cidades “verdadeiramente inteligentes”, que exigem que se esqueça tudo o que nos disseram no século XX sobre como seria o século XXI. Horácio Lopes e José Nuno Beirão, nos respetivos artigos, chamam a atenção para a urgência em se repensar convicções, paradigmas, modos de fazer, orientações e estratégias, aprendizagem formação, que recaiam sobre o quotidiano das cidades, salientando o quanto a celeridade das transformações que assentimos obriga a não nos acomodarmos à certeza dos fenómenos e dos contextos, realidades e atores.

Seguidamente, neste número, encontra-se uma sequência de textos sobre como, no município de Matosinhos, a questão dos dados e da administração local e do planeamento urbano municipal está a ser equacionada e colocada em prática. É o município no qual desenvolvo a minha atividade profissional como chefe da Divisão de Planeamento e, portanto, posso dar testemunho do trabalho que está a ser feito a este nível. Remata estes os dois artigos sobre a Câmara Municipal de Matosinhos o texto sobre a iniciativa os melhores municípios para viver.

Após a sequência de colunas que assinei para a newDATAmagazine® – cujo conteúdo comentei no início deste texto de abertura/apresentação deste número especial – destaque para o artigo sobre Technology use, monitoring and control, sublinhando a ligação entre a necessidade de conhecer e usar tecnologia profissionalmente, mas também na vida diária das cidades.

Referência ainda à mais recente oferta formativa na área da A&U na cidade do Porto, o Mestrado Integrado em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Portucalense. Este novo curso contempla uma estrutura curricular que balanceia ensinamentos e conhecimento da arquitetura vernácula, do património e da reabilitação, da forma urbana e do planeamento das cidades, da sustentabilidade e das alterações climáticas, da tecnologia e do digital. É ainda o único Mestrado Integrado que confere grau em Arquitetura e Urbanismo.

O número especial termina com as secções sobre escrita académica, business inteligence, transição digital, próximas edições e submissão de conteúdos.

Este número especial sintetiza mais de um ano e quatro meses de colaboração com a newDATAmagazine®, onde se tem procurado alvitrar, desde a primeira coluna que redigi, alguns dos horizontes com os quais as atividades de A&U necessariamente se depararão, desde a escala da cidade até ao contexto do doméstico.

Como nota final, resta deixar claro que os conteúdos que gravitam a coluna i.data_cities não são totais, nem tão pouco excludentes. Pelo contrário, visam abrir perspetivas e percursos cruzados entre os processos de urbanização, o planeamento urbano, a gestão das cidades, as vivências e dinâmicas do dia-a-dia urbano, bem como da emergência de problemáticas a tudo isto associadas (como crises socioeconómicas e/ou ambientais) que acrescentam enormes desafios ao pensar e construir, de modo o mais inteligente possível, o chão-comum que todos habitamos.

O futuro afigura-se com um horizonte repleto de constrangimentos, limitações e dificuldades que não devem ser escamoteadas, minoradas, nem – muito menos – ignoradas e/ou esquecidas. Conhecer as circunstâncias das mesmas, saber como as enquadrar e relacionar, experimentar avanços os mais adequados e ajustados possível à melhoria dos ambientes construídos, é uma tarefa que pode ser paralisadora, mas também estimulante e despertadora de novos caminhos para o amanhã. A chave entre a estagnação e o avançar terá que contar com o contributo dos dados e com a inteligência com que os utilizamos.

 

David Leite Viana

LER ESTE ARTIGO NA REVISTA ONLINE

Diretor

David Leite Viana
David Leite Viana

Data Publicação

15 setembro 2022

Tags

Publicadas

logo rodape

Seja bem vindo(a) ao website da newDATAmagazine©!

Aqui concentramos toda a informação pertinente sobre a vida da nossa revista e damos visibilidade a todos os que connosco colaboram: Parceiros, Autores, Revisores, Anunciantes e Leitores.

Boas leituras!

Próxima Edição

newDATAmagazine® N.º21

Contacto

gestao @ newdatamagazine.com

(+351) 929.251.279

 (Chamada para rede móvel nacional)

  Projeto

  FAQ's

  Gestão e propriedade

  Produção

  Política de Privacidade