ptnlenfrdees
newDATAmagazine® 17 - Editorial

A verdadeira inovação

Editorial newDATAmagazine® N.º17

 

A verdadeira inovação

Recupero o tema da inovação, explorado no artigo “The importance of PEOPLE in innovation, as a survival strategy for SMEs”, em que apresentei a noção de “inovação como estratégia de sobrevivência”, em especial, considerando o contexto das Pequenas e Médias empresas (PME).

Aceito que esta seja apenas uma das perspetivas do problema. Mesmo assim, retomo o tema considerando que existem três ideias determinantes por detrás do mesmo: o que é inovar, qual o universo das PMEs e qual o seu perfil financeiro.

Em primeiro lugar, a definição de inovação que me parece mais realista é a apresentada no Oslo Manual (OECD e Eurostat, 2018), que diz: “A inovação é mais do que uma nova ideia ou invenção. Uma inovação requer implementação, seja por ser posta em uso ou por ser disponibilizada para utilização por outras partes, empresas, indivíduos ou organizações.” Em segundo lugar, é necessário ter em conta que, de acordo com o Worldbank, as PMEs representam 90% das empresas e empregam mais de 50% das pessoas a nível mundial. Por fim, ainda de acordo com o Worldbank, as PMEs têm menos probabilidades de obter empréstimos bancários do que as grandes empresas e dependem de fundos próprios, ou de dinheiro de amigos e familiares, para lançar e gerir as suas empresas.

Alinhando estas quatro ideias, “estratégia de sobrevivência”, “inovar é implementar”, “90% PMEs mundialmente”, e “financiamento difícil”, parece-me que a solução passa pelas pessoas.

São as pessoas que estão nas empresas que destas dependem para viver. Por isso, colocar as pessoas no centro da disrupção, diferenciação e mudança inerentes a uma “verdadeira inovação”, é um raciocínio que estará ao alcance de todos, mas o que interessa mais é explicar como isso pode acontecer.

Convém perceber que as PMEs são as que menos ferramentas dispõem para inovar e são genericamente estruturas sem estabilidade financeira. Esta realidade não é compatível com os processos de aquisição de inovação, que geralmente acontecem com a contratação de consultoras externas. Se, por um lado, a contratação externa aporta soluções para empresas que não têm recursos para as encontrar, por outro, gera uma dependência séria: para resolver problemas através de inovação é necessário investimento recorrente.

Então, qual a solução? A resposta passa pela formação das pessoas. A necessidade de investimento é muito inferior e os resultados são duradouros, porque equipa a empresa com know how capaz de implementar processos internos de inovação sem a permanente e dispendiosa dependência externa.

Estamos na presença do velho dilema “make or buy”. Neste caso, a solução é “make” e, para isso, é preciso FORMAR, para INOVAR!

Horácio Lopes | Editor

LER ESTE ARTIGO NA REVISTA ONLINE

 

 

True innovation

I recover the theme of innovation, explored in the article "The importance of PEOPLE in innovation, as a survival strategy for SMEs," in which I presented the notion of "innovation as a survival strategy," especially considering the context of Small and Medium Enterprises (SMEs).

I accept that this is only one perspective of the problem. Still, even so, I return to the subject considering that there are three determining ideas behind it: what is innovation, what is the universe of SMEs, and what is their financial profile.

First, the definition of innovation that seems more realistic to me is the one presented in the Oslo Manual (OECD and Eurostat, 2018), which says: Innovation is more than a new idea or invention. An innovation requires implementation, either by being put into use or made available for use by other parties, firms, individuals or organizations." Secondly, it should be borne in mind that, according to the Worldbank, SMEs account for 90% of businesses and employ more than 50% of people globally. Finally, according to the Worldbank, SMEs are less likely to get bank loans than large companies and rely on their funds, or money from friends and family, to launch and run their companies.

It seems to me that the alignment of these four ideas, "survival strategy," "innovate is implement," "90% SMEs worldwide", and "funding is difficult," suggests that the solution lies with people.

It is the people who are in the companies that depend on them for a living. Therefore, putting people at the centre of the disruption, differentiation, and change inherent to a "true innovation" is reasoning that will be within everyone's reach, but what matters the most is to explain how this can happen.

It is essential to understand that SMEs are the ones that have the fewest tools to innovate and are, in general, structures without financial stability. This reality is incompatible with innovation procurement processes, which generally happen by hiring external consultants. If, on the one hand, external hiring brings solutions to companies that don't have the resources to find them, on the other hand, it generates a severe dependency: solving problems through innovation requires recurrent investment.

So, what is the solution? The answer is to train people. The need for investment is much lower, and the results are lasting because it equips the company with the know-how capable of implementing internal innovation processes without the permanent and costly external dependence.

We are in the presence of the old "make or buy" dilemma. In this case, the solution is "make" and, for this, it is necessary to TRAIN, to INNOVATE!

Horácio Lopes | Editor

READ THIS ARTICLE IN THE ONLINE MAGAZINE

 

 

logo rodape

Seja bem vindo(a) ao website da newDATAmagazine©!

Aqui concentramos toda a informação pertinente sobre a vida da nossa revista e damos visibilidade a todos os que connosco colaboram: Parceiros, Autores, Revisores, Anunciantes e Leitores.

Boas leituras!

Próxima Edição

newDATAmagazine® N.º21

Contacto

gestao @ newdatamagazine.com

(+351) 929.251.279

 (Chamada para rede móvel nacional)

  Projeto

  FAQ's

  Gestão e propriedade

  Produção

  Política de Privacidade